Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 17 de julho de 2016

Solenidade da Santíssima Vírgem Maria do Monte Carmelo



Nossa Senhora do Carmo e a Misericórdia

Cardeal Orani Tempesta

o dia 16 de julho celebramos a memória mariana de Nossa Senhora do Carmo. São muitos os textos da Ordem do Carmo e de histórias sobre o assunto, que se tornou de domínio público. Ao adentramos na história da Igreja, encontramos uma linda página marcada pelos homens de Deus, mas também pela dor, fervor e amor à Virgem Mãe de Deus: é a história da Ordem dos Carmelitas, da qual testemunha o cardeal Piazza: “O Carmo existe para Maria, e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual”.

A palavra Carmelo vem do hebraico, “carmo”, e significa vinha; e “el” significa Senhor; portanto, “Vinha do Senhor”. Este nome nos aponta para a famosa montanha que fica na Palestina, donde o profeta Elias e o sucessor Elizeu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, conforme uma interpretação piedosa foi prefigurada numa pequena nuvem. (Cf. 1 Rs 18,20-45).

O Monte Carmelo, na Palestina, é o lugar sagrado do Antigo e Novo Testamento. É o Monte em que o Profeta Elias evidencia a existência e a presença do Deus verdadeiro, vendo os 450 sacerdotes pagãos do Baal, fazendo descer do céu o fogo devorador. (I Reis, 18, 19ss). É, ainda, o Profeta Elias que implora do Senhor chuva benfazeja, depois de uma seca de três anos e três meses. (1Re, 18, 45). É no Monte Carmelo que a tradição colocou a origem da Ordem Carmelitana. Ali viviam eremitas entregues à oração e à penitência.

Devido a perseguições aos cristãos na Terra Santa, o grupo de eremitas do Monte Carmelo acabou vindo para a Europa, se estabelecendo na Inglaterra. Aí se uniu a eles um eremita chamado Simão Stock. 

Na Inglaterra, vivia um homem penitente, como o Profeta Elias, austero como João Batista. Chamava-se Simão. Mas, diante de sua vida solitária na convexidade de uma árvore no seio da floresta, deram-lhe o apelido de Stock. 

Já vivendo com os eremitas do Carmelo, e depois por passar várias dificuldades em sua vida, São Simão teve a inspiração e confirmação mariana de sua vida e sua ordem no dia 16 de julho de 1251. Ele suplicava com maior empenho à Mãe do Carmelo sua proteção, recitando a bela oração por ele composta:

 “Flor do Carmelo, vinha florífera, Esplendor do céu, Virgem fecunda, singular. Ó Mãe benigna, sem conhecer varão, aos Carmelitas dá privilégio, Estrela do Mar”! 

Terminada esta oração, levanta os olhos marejados de lágrimas, vê a cela encher-se, subitamente, de luz. Rodeada de anjos, em grande cortejo, apareceu-lhe a Virgem Santíssima, revestida de esplendor, trazendo nas mãos o Escapulário, dizendo a São Simão Stock, com inexprimível ternura maternal: “recebe, diletíssimo filho, este Escapulário de tua Ordem como sinal distintivo e a marca do privilégio que eu obtive para ti e para todos os filhos do Carmelo; é um sinal de salvação, uma salvaguarda nos perigos, aliança de paz e de uma proteção sempiterna. Quem morrer revestido com ele será preservado do fogo eterno”.

A devoção ao escapulário na história da Igreja é muito parecida com a do rosário, constituindo-se numa das mais antigas e populares formas de devoção à Virgem Maria. O escapulário é um sacramental, ou seja, uma realidade visível, que nos conduz a Deus, com sua graça redentora, seu perdão e promessas. Santa Tereza (reformadora da Ordem das Freiras Carmelitas juntamente com São João da Cruz) dizia que portar o escapulário era estar revestido com o hábito de Nossa Senhora.

A Bem-Aventurada Virgem Maria, Nossa Senhora do Carmo, aparece na vida de São Simão com um grande olhar de misericórdia e compaixão. Com a vida de Nossa Senhora do Carmo, percebemos o quanto ela olha para os seus e se compadece. Maria é a mulher da misericórdia e a mulher que sempre estende as mãos para ajudar os seus filhos que passam por necessidades e dificuldades. 

Peçamos a Nossa Senhora do Carmo que nos ajude a caminhar na misericórdia, no amor, na paz e na fraternidade. Neste Ano Jubilar, esta devoção mariana quer nos ajudar a não desanimarmos diante das perseguições, e procurar, revestidos de Maria, continuar firmes no Senhor, confiando em sua providência. Com a experiência da misericórdia de Deus, temos a certeza de sermos sinais dessa mesma misericórdia aos outros. Que diante das “secas das vidas de tantas pessoas” o Senhor nos ajude a profetizar que a “nuvem de chuva que chega” nos vem pela intercessão de Maria para que sejamos fiéis seguidores do Senhor mesmo com tantos falsos profetas ao redor. 

Que a vida de oração no monte de Deus nos acompanhe nesses dias para “contemplar o Deus misericordioso”. Que a Virgem Mãe nos ampare em todas as dificuldades. Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Orani João, Cardeal Tempesta, O.Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

fonte : http://www.jb.com.br/sociedade-aberta/noticias/2016

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Novenário e Festa de Nossa Senhora do Carmo


                                                      

                                                           
Dom Fernando Arêas Rifan*
         

Sábado próximo celebraremos a festa de Nossa Senhora do Monte Carmelo ou do Carmo, devoção antiquíssima e muito difundida pelo uso do Escapulário em sua honra. 

Quase na divisa com o Líbano, o monte Carmelo, com 600 metros de altitude, situa-se na terra de Israel. “Carmo”, em hebraico, significa “vinha” e “El” significa “Senhor”, donde Carmelo significa a vinha do Senhor. Ali se refugiou o profeta Elias, que lá realizou grandes prodígios, e depois o seu sucessor, Eliseu. Eles reuniram no monte Carmelo os seus discípulos e com eles viviam em ermidas. Na pequena nuvem portadora da chuva após a grande seca, Elias viu simbolicamente Maria, a futura mãe do Messias esperado. 

Assim, Maria foi venerada profeticamente por esses eremitas e, depois da vinda de Cristo, por seus sucessores cristãos, como Nossa Senhora do Monte Carmelo. 

No século XII, os muçulmanos conquistaram a Terra Santa e começaram a perseguir os cristãos, entre eles os eremitas do Monte Carmelo, muitos dos quais fugiram para a Europa. No ano 1241, o Barão de Grey da Inglaterra retornava das Cruzadas com os exércitos cristãos, convocados para defender e proteger contra os muçulmanos os peregrinos dos Lugares Santos, e trouxe consigo um grupo de religiosos do Monte Carmelo, doando-lhes uma casa no povoado de Aylesford. Juntou-se a eles um eremita chamado Simão Stock, inglês de família ilustre do condado de Kent. De tal modo se distinguiu na vida religiosa, que os Carmelitas o elegeram como Superior Geral da Ordem, que já se espalhara pela Europa.

No dia 16 de julho de 1251, no seu convento de Cambridge, na Inglaterra, rezava o santo para que Nossa Senhora lhe desse um sinal do seu maternal carinho para com a Ordem do Carmo, por ela tão amada, mas então muito perseguida. A Virgem Santíssima ouviu essas preces fervorosas de São Simão Stock, dando-lhe, como prova do seu carinho e de seu amor por aquela Ordem, o Escapulário marrom, como veste de proteção, fazendo-lhe a célebre e consoladora promessa: 

“Recebe, meu filho, este Escapulário da tua Ordem, que será o penhor do privilégio que eu alcancei para ti e para todos os filhos do Carmo. Todo aquele que morrer com este Escapulário será preservado do fogo eterno. É, pois, um sinal de salvação, uma defesa nos perigos e um penhor da minha especial proteção”. 


O Papa Pio XII, em carta a todos os carmelitas (11/2/1950), escreveu que entre as manifestações da devoção à Santíssima Virgem “devemos colocar em primeiro lugar a devoção do Escapulário de Nossa Senhora do Carmo que, pela sua simplicidade, ao alcance de todos, e pelos abundantes frutos de santificação, se encontra extensamente divulgada entre os fiéis cristãos”. Mas faz uma advertência sobre sua eficácia, para que não seja usado como superstição: “O sagrado Escapulário, como veste mariana, é penhor e sinal da proteção de Deus; mas não julgue quem o usar poder conseguir a vida eterna, abandonando-se à indolência e à preguiça espiritual”.


*Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney
http://domfernandorifan.blogspot.com.br/

Pedidos de Oração